Foto de divulgação/ABACH

São Paulo, novembro de 2013 – Do próximo dia 3 a 21 de dezembro, a Casa da Fazenda do Morumbi apresenta a terceira exposição de Rorian Guimarães – um dos pioneiros da arte digital no Brasil, roteirista e diretor de vídeo. Intitulada “Sensações”, a exposição foi escolhida para inaugurar a galeria de arte que a Casa da Fazenda acaba de ganhar em comemoração ao seu bicentenário.

Ao todo serão  44 obras em desenho de retratos e paisagens, cuja forte expressividade levaram ao título da mostra. “Há ainda representações de rostos com camadas sobrepostas a maneira de máscaras. A proporcionalidade ou sua transgressão, a intensidade ou a diluição da cor, tudo é usado de modo a compor a emoção a ser transmitida”, comentou a curadora da mostra, a museóloga Vera Filinto, outra novidade na trajetória do artista, que já expôs duas outras vezes, a primeira em 2011 (“Expressões”) e no ano passado (12 Girassóis, um tributo a Johanna van Gogh), ambas também em São Paulo.

Tendo como característica marcante a aplicação do conceito de mimesis enquanto simulacro,  os desenhos expostos, alguns inéditos, outros de exposições passadas,  terão ainda, referências, apropriações e releituras de outros artistas, como é o caso de Vincent  Van Gogh, em seus “12 Girassóis” da exposição do ano passado. De acordo com Vera Filinto, “a opção pela apresentação deles lado a lado visa a aproximar universos particularizados, permitindo uma fruição diferenciada. Se de forma individual o girassol se impõe, em conjunto sua força se amplia. E, também dessa forma, se evidenciam as referências aos campos de girassóis de Van Gogh”.  A exposição “Sensações” conta com o apoio de Dolce Gusto da Nestlé e da Presença Propaganda.

Quem é Rorian Guimarães

Carioca de nascimento e criado em São Paulo, Rorian Woelpl  Guimarães estudou Engenharia e Análise de Sistemas na FAAP. Começou aliar arte à tecnologia ainda antes do final de seu curso, tornando-se um dos pioneiros da arte digital no Brasil. Roteirista e diretor de vídeo, criou,  em 1987, com o irmão Julian Woelpl Guimarães e Andre Michel Descombes, a exposição inédita e de vanguarda mundial “FRACTALS, a Realidade do Inimaginável”.  A mostra, contendo 26 obras foi apresentada no Museu da Imagem e do Som de São Paulo, no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Alvares Penteado, também em São Paulo, e no Museu de Arte Contemporânea (MAC), em Campinas.

Em 2010, lançou a “ART GRAPHITE”, mostra virtual em forma de aplicativo (App), com 21 obras e acesso exclusivo pelo iPhone e Ipad. A mostra continua na loja da Apple (clique aqui) e já teve mais de 2 mil downloads, a maioria na França e nos Estados Unidos, e cerca de 7,5 mil views. Em 2011, fez sua primeira exposição solo, na Gallery, do shopping D&D da capital paulistana, intitulada “Expressões”. De 3 a 10 de novembro, o público pôde ver um scrapbook, com 34 trabalhos dispostos em um booklet,  acompanhado de um vídeo sobre as obras, e a exposição de outros 17 trabalhos, além de dois outros vídeos mostrando a primeira fase do trabalho em papel de Rorian, elaborada com grafite, até a fase em que ele faz a transposição das suas nuances para as cores, com a técnica do pastel seco, aumentando a área das peças. No ano seguinte, Rorian realizou, no mesmo espaço Gallery, a exposição intitulada “12 Girassóis, um tributo a Johanna van Gogh”, com 30 trabalhos em carvão, grafite, pastel seco e pastel óleo, divididos em três séries; a dos Girassóis, das Marquesas e das Expressões.

Hoje, o acervo do artista supera os 1.000 trabalhos e ele foi um dos selecionados para expor no tradicional Salão de Artes Plásticas do Rio de Janeiro (no Clube Militar), em sua 61a. edição, que acontece até o dia 29 de novembro, de 2a. a 6a. feiras, das 12h às 17h.  A entrada lá também é franca.

Sobre a Academia Brasileira de Arte, Cultura e História (ABACH):

Fundada entre as décadas de 50 e 60 por Afrânio de Mello Franco, José Honório Rodrigues, Luiz da Câmara Cascudo e Dante Laytano, inicialmente com foco exclusivo para os interesses da história da Pátria, a Academia Brasileira de Arte, Cultura e História (ABACH) possui a outorga dos direitos do uso da Casa da Fazenda do Morumbi como polo cultural, graças ao seu trabalho desenvolvido em prol da cultura, mas também a credibilidade de sua capacidade de resgatar importante marco da história de nossa cidade. Promover a arte e novos talentos, organizar novas exposições e abrir espaço para divulgar a cultura e história brasileira é a missão da Academia, que tem José Maria Braggion na Presidência e Jussara Martins na curadoria. Para mais informações, visite o site da ABACH, clicando aqui.

Compartilhar:
  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Add to favorites
  • email
  • Twitter